Blog

Custo e preços de venda na prestação de serviços

Postado em: 16/05/2017

As MPEs representam grande importância para o desenvolvimento econômico social, gestores e contadores precisam utilizar a ferramenta contábil.

A falta de informação e /ou a não utilização da ferramenta contábil prejudica a tomada de decisão.

O gestor deve enxergar o contador como aliado para seus negócios, mas por outro lado o profissional contábil deve conhecer os recursos da ferramenta contábil e garantir informações precisas para que o gestor possa tomar as decisões mais acertadas, garantindo dessa forma vantagens competitivas.


 Para calcularmos o preço de venda na prestação de serviços devemos além de conhecer nossos custos e despesas, ou seja, nosso custo interno, devemos também verificar o preço praticado na concorrência, pois, nossos clientes estão pesquisando preços e procurando qualidade, tanto dos serviços quanto do atendimento. 


 Assim, os preços calculados através de fórmulas servirão apenas como um referencial para comparação com os de mercado. Isso não significa dizer que não devemos calculá-los, ao contrário, esse cálculo nos dará um parâmetro para avaliarmos se a nossa estrutura de custos nos permite ser competitivos.


 O preço de venda precisa sempre ser revisto, seja por aumento no preço de compra de materiais empregados na prestação dos serviços, por exigência dos consumidores ou pela concorrência, e assim, se enquadrar nas regras do mercado.


Terminologia


Terminologia utilizada na área de Custos:


  • Custos Fixos – São todos os gastos que não variam em função dos volumes produzidos;
  • Custos Variáveis – São gastos que variam proporcionalmente aos volumes produzidos.
  • Custos Diretos – São gastos que podem ser apropriados diretamente ao produto ou ao serviço.
  • Custos Indiretos – São gastos que para serem incorporados aos produtos ou aos serviços utilizam um critério de rateio, também são chamados de despesas (por não terem ligação direta com a produção).


 O preço de venda ideal é aquela que cobre todos os custos e despesas e ainda sobre o lucro, deve ser competitivo e na medida do possível ser melhor que o da concorrência, deve permitir a manutenção do cliente e a expansão das vendas.


 A empresa de serviços não pratica atos do comércio, isto é, não compra nem vende mercadorias, e muito menos pratica operações caracterizadas como industriais. Quando o preço dos serviços inclui o material a ser gasto, mesmo assim, podemos dizer que o prestador de serviço não está vendendo o material, este é, apenas, custo dos serviços prestados.


 Para facilitar o entendimento da apuração do preço de venda na prestação de serviços, vamos considerar que a empresa é uma oficina mecânica, e está efetuando um serviço de pintura em uma porta e um pára-lama de um automóvel, e que o serviço será executado em 08 horas. 


Passo a passo


1º Passo – Cálculo da Mão de Obra Direta


Vamos considerar que a empresa possui 2 empregados e custo total da folha de pagamento seja de R$ 1.500,00 assim, para calcular o custo da hora do empregado na prestação do serviço vamos aplicar a seguinte fórmula:


Custo da Hora = Valor dos Salários + Encargos Sociais


                            N.º de empregados x 160 horas 


Valor bruto da folha de pagamento com 2 empregados: R$ 1.500,00;


Encargos Sociais (60%): R$ 900,00 (recomendamos consultar o seu Contador a respeito da incidência dos encargos sociais/trabalhistas).


 Cálculo:


Custo da Hora = 1.500,00 + 900,00


                                 2 x 160


Custo da Hora = 2.400,00


                            320


Custo da Hora = R$ 7,50    


  2ª Passo – Cálculo dos Materiais Diretos


   No nosso exemplo é uma lavagem de carro que vai aplicar no serviço 300 litros de água  e  uma lata de cera, é   que os preços desses materiais são de R$ 20,00/litro de R$ 9/unidade e flanela R$ 5,00 respectivamente, assim o custo do material é de:   


  • Água: R$ 12,00
  • Cera: 8,00
  • flanela 3,00
  • total: R$ 23,00


3ª Passo – Cálculo do Custo Unitário do Serviço


Custo Unitário = custo da mão-de-obra direta + custo do material


Custo Unitário = (R$ 5,00 x 8 horas) + R$ 23,00


Custo Unitário = R$ 63,00


4ª Passo – Custo fixos


No nosso exemplo vamos considerar que a empresa possui um custo fixo médio nos últimos 6 meses de R$ 2.000,00, incluso nesse valor as despesas com aluguel, pró-labore, telefone, água, material de limpeza, depreciação, lanches entre outros. Vamos considerar também que o a receita bruta média dos últimos 6 meses foi de R$ 16.000,00.


 Assim, deveremos apurar a relação entre o custo fixo médio e a receita bruta média, utilizando a seguinte fórmula:


CF% = (CFM / RBM) x 100, 


onde:  CF% = percentual do custo fixo em relação a receita bruta;


          CFM = custo fixo médio;


          RBM = receita bruta média


 Logo temos:


CF% = (R$ 2.000,00 / R$ 16.000,00) x 100


CF% = 12,50%


 Conforme apurado, a taxa do custo fixo médio em relação à receita bruta média é de 12,50%, isso, significa que cada mercadoria vendida deverá suportar com 12,50% dos custos fixos, através de suas vendas.


5º Passo – Custo Variáveis de Venda


 Os custos variáveis de venda são os descritos no quadro abaixo, totalizando 10,93%. 



Voltar
Ligue +55 (11) 3605-0730
Rua Raphael Caputo, 65 – Jardim Cipava | Osasco/SP – Cep. 06075-030
W2N